Sorriso largo...

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Natal da minha infância


Natal da minha infância

Naquela data festiva
Natal cheio de esperanças
Meu pai fazia seresta
Para alegrar as crianças
*

Naquela família pobre
Presentes eram cadernos
Mimos? Somente pr’o nobre
Não havia mais alternos
*
Éramos muito felizes
Vivendo de brincadeira
As árvores de raízes
E brinquedo de madeira
*
A gangorra era um tonel,
Com uma tábua por cima
Brincadeira de anel
Adivinhas? Só com rima
*
Era assim, nosso Natal:
Sempre com muita alegria.
Cansados, já no final
Da noite de fantasia
*
E em cada sapatinho,
Colocado na janela,
Tava lá o caderninho

No sapato ou na chinela

*
Nesses Natais de bonanças,

Arroz, cuxá no jantar.

Sete filhos, bem crianças,
Alegres, sempre a cantar


(Rosário Pinto)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários e visite também:
http://cordeldesaia.blogspot.com