Sorriso largo...

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Agonia na EDUCAÇÃO!

Sou Rosário Pinto - poeta de cordel e professora sem turmas.
*
Agonia na EDUCAÇÃO

A UERJ agoniza
Com todo este descaso
Sua permanecia é instável
Funcionários em arrasco
E todo corpo discente
E também de seus docentes
De governante carrasco.
*
Situação de penúria
Os salários atrasados
Envergonham a educação.
Todos gritam enojados.
Com tamanhas agressões
Na política de “bicões”
Em cargos empoleirados.
*
Precisamos falar alto
E nossa voz ecoar
Ter firmeza de propósitos
Eles não vão nos calar
São governos presepeiros
Enganando os brasileiros
E não vão nos arrasar
*
Estes governos revoltam
Com sua democracia
Que na miséria do povo
É pura demagogia
Parecendo até cinismo
Ou então idiotismo
Falar em cidadania
*
Há governantes que cuidam
Da saúde do povão
Mas aqui é diferente,
Pois o nossa cidadão
Somente é visto e lembrado
Abraçado e beijado
Quando chega a eleição.
(Rosário Pinto)

sábado, 28 de outubro de 2017

Mulheres cordelistas: as histórias e a contemporaneidade


Dia 24 de outubro 2017, a convite da bibliotecária Cláudia Gomes Canto, Eu e Dalinha Catunda participamos de palestra, representado o CORDEL DE SAIA, realizada na Biblioteca Escolar Municipal do Engenho Novo. A receptividade foi excelente.
Trabalhamos as noções básicas da literatura de cordel:
- sua história, a riquezas das expressões poéticas, as principais formas de composição (quadra, trova, sextilha e setilha), a trajetória do verso cantado para o verso impresso, as fontes de pesquisas (sites e blogs), locais de aquisição, a participação da mulher como autora; e, o valor social que a literatura de cordel agrega, tanto na escola como na família.
O debate foi recheado de versos em que ressaltamos o papel da mulher na literatura de cordel e a evolução da condição de mulher com tema dos grandes romances do início do século XX.
 __ retratada pela ótica masculina como a mãe zelosa, a filha recatada e a esposa exemplar. Em 1938, Maria José das Neves Batista Pimentel publica o primeiro romance de cordel, intitulado O viulino do diabo ou o valor da honestidade, mas... sob a alcunha de seu marido Altino Alagoano. Dessa forma, entendia que seria bem sucedida na venda em feiras populares.
Somente por volta dos anos 70 surgem as primeiras publicações de mulheres cordelistas com temática e linguagem própria de mulheres retratando seus anseios, desejos, modo de olhar o mundo e a inserção no mercado de trabalho.

Leia aqui na íntegra

Altino Alagoano [Maria das Neves Batista Pimentel] O viulino do diabo ou o valor da honestidade.  [S.l.]: MEC/Pronascec Rural - SEC/Pb - UFPb - Funnape, 1981. 48 p. 


  

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

A BIODIVERSIDADE DOS IPÊS


*
É chegada a Primavera e com ela a beleza dos Ipês!

A BIODIVERSIDADE DOS IPÊS

O Ipê tem várias cores
Ilustrando seu encanto,
Com ele me emociono
Sua beleza, eu garanto,
É de pura poesia.
Traz sempre a alegria
Inspirando nosso canto
*
Os amarelos são fortuna
Não apenas de valor
Mas de algo mais profundo
Muito mais encantador
São aqueles que iluminam
E também que nos fascinam
Repletos de tanta flor
*
A cor rosa é primavera
Bela como uma aquarela
Das mulheres de Outubro
Que não caem em esparrela
Que cuidam de suas vidas
São guerreiras aguerridas
Fita rosa na lapela.
*
O branco nos traz a paz
O que todos precisamos
O ar puro que respiras
Transcendentes de seus ramos
Paz, harmonia e beleza.
Tem na flor toda a pureza
É o ar que respiramos.
*
Existem multicolores
São de flores germinadas.
Vindos de um mesmo ramo
Cores diversificadas.
Permanecem muito unidos
Bordados, juntos, cerzidos
Como gêmeos, bem grudados
(Rosário Pinto)
rosariuspinto@gmail.com


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Oficina na Escola Barão de Itacuruça


Dia 18 de setembro 2017, a convite das professoras Maria das Graças da Silva Cunha e da diretora Marisa Bittencourt da Escola Barão de Itacuruça, Tijuca, realizei Oficina de Cordel para três turmas. A receptividade foi excelente. Já havia um trabalho prévio com os alunos, que cantaram um poema de cordel.
Apresentei as noções básicas da literatura de cordel:

- a chegada ao Brasil e sua melhor adaptação ao Nordeste;

- a função da oralidade como fonte de transmissão de conhecimentos;

- a peculiaridade das formas de expressão e do saber e fazer literário, transmitidas de geração a geração;

 - o olhar do poeta cordelista como um atento observador dos processos de atualização da sociedade em sua estrutura social, política e/ou tecnológica;

- a importância da literatura de cordel em sala de aula;

- as principais formas de composição poética: quadras, trovas, sextilhas e setilhas e décimas;

- a trajetória da literatura de cordel de versos cantados, impressos e mais modernamente publicados em mídias virtuais;

- apontei fontes de pesquisas (sites e blogs) e locais para aquisição de folhetos;

- a pontei a forte participação da mulher na literatura de cordel;

- a composição das capas, principalmente em desenhos, fotos e xilogravuras.

A Oficina foi encerrada com uma Ciranda preparada pela professora de música com os alunos.

Parabenizo professores(as) pelo interesse e envolvimento com a literatura de cordel

domingo, 10 de setembro de 2017

Oficina na E.M. Ginásio Aleksander Henryk Laks

Dia 31 de agosto realizei Oficina de cordel na E.M. Ginásio Aleksander Henryk Laks a convite da professora Thays Eci da Silva de Castro. Fui recebida pelas diretoras Fernanda de Barcellos de Mello, Elha Maria Aragão que ofereceram a estrutura necessária para a realização da oficina. O objetivo foi promover a literatura de cordel nas escolas e cativar a atenção dos alunos que foram muito receptivos e tiveram ótima participação. O objetivo das oficinas é levar a professores e alunos a importância das expressões populares e das suas manifestações vinculadas a poesia, o canto e demais manifestações de cunho popular. Ressaltamos o caráter de oralidade como fonte de transmissão de um saber e fazer literário que foram transmitidos de geração a geração; a riqueza das expressões da poética popular; a importância da literatura de cordel como ferramenta de aprendizagem e entretenimento.
A metodologia utilizada foi apresentação com Datashow exemplificando as principais modalidades da literatura de cordel.
A professora Thays realiza um excelente trabalho na Sala de Leitiura da Escola. Logo que cheguei fui surpreendida com uma exposição de xilogravuras feitas pelos próprios alunos e mural com as noções básicas da literatura de cordel.
Acredito ter atingido os objetivos desejados e agradeço a todos a gentiliza com que fui recebida. 

 .





segunda-feira, 21 de agosto de 2017

FESTA JUNINA



FESTA JUNINA

Aqui, de nada resmungo,
Fico só atrapalhada
Sigo o ritual da festa
Deixei faca bem fincada
Lá no pé da bananeira 
E fiquei na espreitada.

Gosto de me divertir
Com todos os rituais
O São João é bem repleto
De crendices sem iguais 
Tem Correios Amorosos
Com cartinhas geniais.

Eu já tenho um rapaz
Lá em casa a me valer,
Mas como gosto da festa
Estou pagando pra ver
E dançando nesta festa
Vou até o amanhecer

Quando eu era bem pequena
Lá na minha Bacabal
Festejava o São João
Em noitada sem igual.
E castanha sapecada,
Pra animar o festival.

Tinha dança de quadrilha,
Casamento na fogueira
Ciranda e cirandinha
Em noites brincadeira.
(Rosário Pinto)

segunda-feira, 31 de julho de 2017

AGOSTO - MÊS DO FOLCLORE

É chegado o mês de Agosto que é também Mês do Folclore. Mês em que comemoramos as tradições da história.

EDISON CARNEIRO – 2012

Natural de Salvador, BA, 12 de agosto é o seu aniversário. O folclorista que percorreu todo o país em busca das mais preciosas tradições da cultura popular brasileira.
*
O Folclore comemora
Relevante centenário
Neste Agosto é o mês
Do grande aniversário
Do gigante folclorista
Que conviveu com artista
Deixou-nos belo cenário
*
De quem falo já vos digo.
O nome homenageado
Edison Carneiro é
Folclorista apegado
Às tradições brasileiras
Fez delas suas bandeiras
Da cultura advogado.
*
Percorreu todo o país
Festas e religiões
Pesquisou tudo em detalhe
Em todas as ocasiões
Nada deixou para trás
De tudo, correu atrás,
Também estudou baiões.
*
Amigo de Jorge Amado
Que sempre reconheceu
No folclorista o mérito
De tudo que descreveu.
Muitos anos de pesquisas
Leu também as poetisas
Sobre tudo escreveu
*
Pesquisou sobre a umbanda
E também o candomblé
Toda a religiosidade
Estudou e fincou pé.
Fez minucioso estudo
Mestre tal e qual Cascudo
Na cultura mostrou fé.
*
O Rodolfo Cavalcante
Que foi grande menestrel
Um folheto publicou
Todo versado em cordel
Exaltando o folclorista
Passou sua vida em revista
Como um grande nobel.
*
Convidei dona Dalinha
Da família dos Catunda
Para trazer o seu verso
Com sua verve profunda
Ela é ágil na setilha
Sempre mantem sua trilha
Sua poesia é profunda
*
Leia abaixo o folheto
Clique o “link” sem temor
Para conferir-lhe a vida.
O poeta tem valor
E o Edison Carneiro,
Este grande brasileiro,
Provocou muito rumor.
(Rosário Pinto)
C0216
Cavalcante, Rodolfo Coelho. Dr. Edison Carneiro: o gigante do folclore afro-brasileiro. Salvador: Tipografia Ansival, 1977. 8 p.